• Paraná: (41)3165-8000 - (41)3056-7871
  • Rio de Janeiro: (21)2220-7146 - (21)2262-8317
  • IJFC - No YouTube
  • IJFC - No Facebook
  • IJFC - No Instagram

Encontro junho 2019 – Formação Continuada

Tema: Desenvolvimento cognitivo e emocional da criança de zero a seis anos.

Data: 05/06/2019

Morro Dona Marta – Creche Mundo Infantil.

Palestrante Convidada: Drª Maria da Conceição Moraes Davidovich – Psicanalista com especialização em crianças e jovens. 

Avaliação Professora Aline Cristina.

 

“A infância deve ser um tempo de brincadeira, pois é brincando que as crianças têm suas primeiras lições na vida.”

Através da afirmação acima concluímos que nas brincadeiras muitas vezes as crianças sinalizam fatos e até pedem ajuda mediante seus comportamentos.

Em nosso último encontro com a Dra. Maria da Conceição Moraes Davidovich, psicanalista, foi um dos temas que desenvolvemos em equipe. A nossa roda de conversa foi bastante rica em descobertas, aprendizados, trocas, muita valorização e uma busca pela criação de novas estratégias visando ajudar nossos alunos e seus familiares.

Dentro da sua metodologia de trabalho nos deu por inúmeras vezes espaço para que pudéssemos expor e pensarmos juntas para que cada uma com sua vivência contribuísse de alguma forma com a colega de profissão e assim identificando os vários casos que se complementam e respostas que servem de exemplo para todas.

Seguem alguns exemplos debatidos:

– Através da brincadeira identificamos a descoberta do corpo, e hoje sabemos até que ponto é sadio e quando se torna patológico. Fizemos várias observações e surgiram dúvidas, mas hoje sentimos um acolhimento dos nossos anseios e uma vontade enorme de poder fazer a diferença na vida dessas pessoas;

– Vimos que uma visita longa de um familiar na hora da entrada, nada mais é que um pedido de acalanto podendo ser uma possível depressão e uma identificação pessoal entre a mãe e a professora que sempre está pronta a ouvir;

– Quase sempre a Professora indaga: – se não existe uma outra questão clínica a ser diagnosticada? Mas não pode esquecer que atrás dos fatos existem a dor familiar, a aceitação, que somente após um trabalho poderá surgir a busca por respostas;

– Que um paninho na boca pode ser um refúgio pela ausência da mãe e que nós enquanto profissionais podemos sim ajudar a substituir por uma chupeta até que essa criança, como todas as outras, possa se adaptar e na hora certa avance a seu tempo e a seu modo.

O encontro foi conduzido por Dra. Conceição de uma forma calma e com respeito aos detalhes de cada história e indicou a estrada nos dizendo:

– Sigam em frente! E com olhar atento a cada uma de nós deixou a mensagem que o meio de transporte que nos levará até essa resposta é algo que a cada dia teremos um. Algumas vezes poderemos ir de bicicleta, de avião ou de skate, porém tudo isso dependerá de um suporte de uma psicóloga, de uma parceria com a família e a nossa força de vontade.

Portanto hoje a minha estrada me levou de volta a mais um encontro no Instituto João Ferraz de Campos o que me faz sentir uma profissional cada vez melhor querendo sempre doar às crianças mais e mais.

Não existe busca sem querer e não existe querer sem apoio e o melhor apoio é aquele que vem de pessoas que acreditam que é possível mudar a educação e cada dia mais transformar a educação infantil na brincadeira mais séria e prazerosa que uma criança pode vivenciar.

Aline Cristina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *